Quer ser um especialista? Esqueça essa babaquice de praticar por 10 mil horas

Leio vários livros e artigos de diversos autores, tanto para o meu aprimoramento pessoal quanto para ter assunto para escrever aqui. Ultimamente, tem sido frequente me deparar com frases como:

  • “Receita para virar gênio: estude 10 mil horas”
  • “Quer virar especialista em um assunto? pratique 10 mil horas”
  • “Quer ter sucesso em algo? estude e pratique 10 mil horas”
  • “Quer ser um coach renomado? Tenha 10 mil horas de atendimento”

E por aí vai. Essa história de: faça algo por 10 mil horas e seja o cara é um mito que  virou uma verdade universal. Ops ?. Mito ??

Fiquei encucado quando comecei a ouvir d+ essa história de 10 mil horas pra cá, 10 mil horas pra lá, e aí outro autor chegou ao cúmulo de dizer: ah é fácil, estuda 1 hora e pratica 7, aí dá 8 e em 4 anos você é perito (especialista = perito) no assunto.

O mito ganhou amplificação no livro Outliers, do Malcolm Gladwell, escrito em 2008 e bestseller pelo New York Times, que diz que você precisa colocar 10 mil horas de esforço (ou 8 horas por dia, todos os dias, por 4 anos) para ser bom em alguma coisa => o número mágico de grandeza. Uma tragédia romana para quem tem dificuldade em criar novos hábitos. Nos anos seguintes à publicação do livro, essa regra de 10.000 horas tornou-se uma meta para muitos alunos, empreendedores, coaches, e blogueiros. Mesmo com as evidências mostrando que a regra de 10.000 horas foi grosseiramente forjada.

O fato é que o capítulo do Gladwell que fala sobre as 10 mil horas em Outliers foi baseado em um estudo liderado pelo psicólogo da Universidade Estadual da Flórida, Dr. K. Anders Ericsson, na década de 1990, na Academia de Música de Berlim, para verificar que fatores diferenciavam os gênios da música dos intérpretes mais ou menos.

Eles separaram os alunos da elitista escola alemã em três grupos: os excepcionais, os bons e os medíocres.

A pesquisa pretendia verificar a intensidade dos estudos e horas de prática que cada um deles se submetera, para avaliar a correlação entre a dedicação e sua atual performance. Todos eles haviam começado a tocar (violino, nesse caso) quase com a mesma idade (cinco anos) e praticavam uma média de duas a três horas semanais.

A partir dos oito anos, contudo, começaram a surgir as diferenças: nessa idade os melhores alunos praticavam cerca de seis horas por semana. Aos doze, a média subia para oito horas e chegava, aos quatorze anos, a dezesseis. Ao completarem vinte anos de idade, esses alunos já dedicavam à música trinta horas semanais e haviam acumulado dez mil horas de prática. (Bingo!)

Ericsson e sua equipe repetiram a pesquisa com pianistas – e chegaram no mesmo padrão.

É bem verdade que a pesquisa do Dr. Anders Ericsson recebeu uma boa atenção no livro de Malcolm Gladwell – e também na obra de Geoff Colvin, Desafiando o Talento. Ambos os livros colocam uma nova ênfase no comportamento e concepção da prática deliberada para chegar a um desempenho extraordinário. Segundo os autores, Ericsson diz que leva 10.000 horas de prática para se tornar um especialista em quase qualquer coisa. Porem, na essência, a pesquisa do Dr. Ericsson trouxe a importância da experiência no desenvolvimento de competências em oposição ao talento nato. E não quantas horas é necessário para se chegar ao expertise de um assunto.

A conclusão original do Dr. Anders Ericsson de que na média, “os experts em nível mundial tem 10 mil horas de prática” se transformou em “você precisa de 10 mil horas para se tornar um expert”, e depois em “é necessário 10 mil horas para ficar bom em algo”, até pior de todos: “é preciso 10 mil horas para aprender qualquer coisa”. E ai chegamos no mito.

Prática, sim; horas de prática, não. Enquanto não há uma correlação entre horas de prática e atividade durante a prática, não é perfeito. As duas palavras “deliberada” e “prática” são, na verdade essencial, mas é as condições que cercam essas duas palavras que fornecem o verdadeiro impulso para transformar desempenho médio em artistas de classe mundial. A paixão atual com 10.000 horas não é garantia de se passar para o nível de especialista.

Existem  muitos fatores envolvidos na aquisição de habilidades. Para um exemplo simples, considere a atividade de dois jogadores de basquete praticando lances livres durante uma hora. O jogador A arremessa 200 vezes, o jogador B arremessa 50. O jogador B recupera seus próprios lances, dribla e faz várias pausas para conversar com amigos. O jogador A tem um colega que recupera e lhe encaminha a bola depois de cada tentativa. O colega mantém um registro de lances realizados. Se o lance é perdido, se o lance foi curto, longo, pela esquerda ou pela direita, tudo é registrado e analisado a cada 10 minutos de prática pelo jogador A. Assumindo que ambos os jogadores são igualmente hábeis no início do exemplo, e treinam 1 hora por dia, qual você imagina que seria o melhor arremessador depois de 100 horas de prática?

Quando você sabe o conceito de comportamento de conformação, você sabe que há hábitos ou habilidades que podem ser desenvolvidos sem muitas repetições de comportamento ou comportamentos que compõem esse hábito ou habilidade. Além disso, e mais criticamente, o comportamento que você deseja que ocorra novamente deve ser reforçado positivamente durante a construção dos hábitos. Praticar repetição sozinho, sem um plano deliberado, no qual consequências são aplicadas, não vai ser suficiente. São as condições que cercam a prática repetitiva que vai começar a responder à pergunta de quanto tempo leva para conquistar a força hábito.

Em 2013 Ericsson divulgou uma nota onde descreve a obra de Gladwell:

“Popular, mas com uma visão simplista do nosso trabalho, o que sugere que qualquer um que acumule um número suficiente de horas de prática em um determinado assunto, se tornará automaticamente um perito e um campeão”

Ericsson buscou esclarecer que não é isso que sua pesquisa mostrou. Dentro desse estudo, não houve nenhum número mágico para a grandeza de 10 mil horas – que não foi o número de horas alcançados, mas, em média, o tempo que os profissionais de elite praticaram. Alguns praticaram muito menos do que as 10.000 horas. Outros, mais de 25.000 horas. 

Além disso, Gladwell não conseguiu distinguir adequadamente a quantidade de horas gastas praticando, e a qualidade dessa prática. Esta é a razão por que Tim Ferriss zomba regra de 10.000 horas de Gladwell neste vídeo:

Nesta linha, outro estudo de Ericsson mostrou habilidades (neste caso, a memória de trabalho a longo prazo), que poderia ser dominada em “uma fração reduzida das 10.000 horas estimadas para ser necessário para atingir altos níveis de desempenho especialista”, usando um método prático muito específico.

 A conclusão aqui é que a prática pode ser importante, mas não é toda a história.

Um estudo publicado na revista Intelligence atribui a prática a apenas “cerca de um terço da variação da confiança no desempenho no xadrez e na música”. A maior meta-análise da área (2014), descobriu que a prática pode ser responsável por apenas 12% da maestria.

Isso significa que há muito mais para dominar uma habilidade do que apenas meses e anos de prática. Sim, a genética pode desempenhar algum papel, mas a ciência também está nos dando vislumbres do que mais podemos fazer para aprender de forma mais eficiente.

Como acelerar o aprendizado de modo seguro

Nos últimos anos tem havido uma onda de interesse na aquisição de habilidades e aquisição rápida de habilidades. Tim Ferriss escreveu seu livro de 672 páginas, Chef em 4 horas (sem tradução para o Português ainda), abordando este assunto.

Ao longo de seu livro Ferriss, introduziu milhões de leitores à idéia da meta-aprendizagem. Ou seja, a aprendizagem sobre a aprendizagem. Uma vez que entendemos como nosso cérebro e corpo aprende, podemos criar um regime de aprendizagem muito mais eficiente. Na verdade, Ferriss durante uma apresentação SXSWi afirmou: 

“Eu acredito que você pode ser um especialista de classe mundial em qualquer atividade em 6 meses ou menos”

Isto pode ou não pode ser um exagero, mas o que Ferriss está enfatizando aqui é a qualidade da prática sobre a quantidade. Mas mesmo que o número real seja de dois anos, e não seis meses, é uma melhoria enorme na promessa hedionda de 10 mil horas de Gladwell.

Além do mais, os estudos em ciência e psicologia estão repetidamente nos mostrando idéias de novas formas de abordar a aprendizagem, seja baseado em entendimentos antigos que são atualizados, ou pesquisas em cima de idéias inéditas. Essas táticas e estratégias refinados são capazes de nos ajudar a tornar proficientes, peritos, mestres, ou pelo menos bons em um domínio específico em muito menos tempo do que se poderia supor. Por exemplo:

1. Criar um loop de feedback

Com a criação de um ciclo de feedback, você está criando uma maneira de detectar com mais precisão os seus erros e identificar potenciais melhorias que estão tendo efeitos sobre a sua aprendizagem. Um estudo realizado na Universidade de Brunel, Reino Unido explica:

“Um ciclo de feedback [fornece] … as informações necessárias para medidas de adaptação para atingir os níveis desejados de objetivos de ensino e de aprendizagem.”

Adquirir informações precisas para chegar a um objetivo desejado e descobrir exatamente o que você precisa mudar para alcançar seu objetivo mais rapidamente. Você só pode melhorar aquilo que você mede.

Loop de feedback

1. Executar uma ação.
2. Veja os resultados dessa ação.
3. Usar esses resultados para melhorar a próxima ação.

Enquanto loops de feedback não são nada de novo, eles são principalmente usados em contextos de gestão de projetos e evolução do produto, chamados de PDCA. Mas, mais recentemente, com a ajuda de aplicativos de smartphones e ferramentas da web, as pessoas estão aplicando loops de feedback em seu auto-aperfeiçoamento e desenvolvimento pessoal, resultando no que os psicólogos chamam de feedback inteligente.

Para outras habilidades, que você não é capaz de monitorar com aplicativos, existem grupos de Mastermind

Imagine um pequeno grupo de pessoas. Cada um tem conjuntos diferentes de habilidades, pontos fracos, pontos fortes e paixões. Este grupo se reúne regularmente, ao vivo ou online (com Google Hangout, Skype, Whatsapp ou Telegram) para realmente ajudar uns aos outros a resolver problemas. Eles se reúnem para encorajar uns aos outros para se tornar melhor do que eram antes, em qualquer área da vida ou do trabalho que eles desejam.

2588861586_001c223cf0_z

Se você está pensou que os grupos de Mastermind é um modismo, esqueça. Provavelmente o mais famoso grupo Mastermind (apesar de o termo ser inventado, provavelmente, muito mais tarde) foram os Inklings (1930), cujos membros humildes incluia ninguém menos do que CS Lewis, JRR Tolkien, e Owen Barfield. As sessões regulares de bebida no pub The Eagle and Child, em Londres, deu a esses escritores o apoio e o incentivo necessários para criar algumas das maiores obras literárias já escritos.

Do nosso lado do Atlântico, Franklin Roosevelt realizou reuniões (que ele chamou de “Mind Trusts”) com conselheiros mais próximos, que levaram o crédito por ajudar tirar os EUA da Grande Depressão.

Se você é um programador e está aprendendo a desenvolver, submeter códigos para comunidades de Code Review e fóruns, pode lhe fornecer um feedback valioso sobre como melhorar.

Há comunidades e fóruns semelhantes para praticamente qualquer coisa que você quer estudar. Os especialistas em cada um destes, oferecem um ciclo de feedback inestimável para melhorar suas habilidades mais rápido do que simplesmente praticar mais e mais.

Tem um provérbio alemão que diz…

De que adianta correr quando estamos indo para o sentido errado?

Sacou? É melhor caminhar para o lado certo, devagar e sempre, acertando os erros, do que sair correndo para qualquer lado, pior ainda se for o sentido errado do caminho.

Então antes de praticar dezenas de horas de modo errado, precisamos certificar de que estamos praticando corretamente.

2. Prática Deliberada

Para voltar ao Anders Ericsson, grande parte da sua investigação tem-se centrado na prática deliberada, o que eu tenho discutido antes, e o vídeo a seguir explica muito bem.

Alguns especialistas veem a prática deliberada como uma das maneiras mais eficientes de aprender. Ou seja, para se concentrar deliberadamente sobre as sub-habilidades que compõem uma habilidade geral.

Segundo o blog do Prof. de Ciências da Computação Cal Newport, StudyHacks:

“Ao escolher um objetivo específico (ou seja, tornar-se um programador especialista em WordPress), você buscar claramente as sub-habilidades que são importantes para dominar, a fim de ajudá-lo a alcançar o objetivo: PHP, Orientação a objeto, CSS, etc. Cada uma dessas sub-habilidades individuais , é claro, pode ser dividida em mais sub-sub-habilidades. Ao focar deliberadamente dominar cada uma destas sub-sub-habilidades individualmente, você pode se tornar um perito programador especialista em WordPress master premium. “

Com base em sua pesquisa sobre prática deliberada , Ericsson escreve:

“Os efeitos da mera experiência diferem muito dos de prática deliberada, onde os indivíduos se concentrar em ativamente ir tentando ir além de suas habilidades atuais.”

A prática deliberada é difícil. Ericsson descobriu que atletas de elite, escritores e músicos só poderiam sustentar a concentração necessária para a prática deliberada por períodos de tempo relativamente curtos. Sua concentração em competências muito específicas, no entanto, garantiu que continuassem a melhorar.

Você pode até encontrar ferramentas e aplicativos para o rastreamento de prática deliberada nas áreas-chave da sua vida. Ou simplesmente redirecionar as ferramentas existentes para o que você precisa. 

Para por exemplo, ficar melhor em apresentações de vídeos capturando sua imagem com um smartphone. Comece fazendo vídeos para você mesmo, depois treine vídeos curtos no Snapchat, e então parta para os vídos toscos no Youtube. Publique, peça feedback para os seus amigos e vá melhorando enquanto produz novos vídeos. 

A internet está cheia de jogos educativos e ferramentas para diferentes habilidades.Use ferramentas como Anki para aprender qualquer novo tópico com a ajuda de um sistema de cartões.

Olhe ao redor e comece a maratona.

3. A melhor maneira de aprender é ensinar: torne-se um professor

A idéia de aprender através do ensino não é nova. Mas depois de uma certa quantidade de pesquisas, o National Training Laboratories  sentiu confiança suficiente para divulgar a pirâmide do aprendizado. Ela é um diagrama simples mostrando as taxas de retenção esperadas através das várias formas de ensino. A pirâmide tem seus oponentes , mas para muitos, continua a ser um guia confiável.

A pirâmide de Aprendizagem

Métodos Passivos:

  • 5% Assistir uma palestra
  • 10% Ler algo
  • 20% Assistir um audiovisual
  • 30% Ver uma demonstração

Métodos Participativos: (abordados neste post)

  • 50% Discussão em Grupo (Mastermind)
  • 75% Prática
  • 90% Ensinar os outros

Como você pode ver, as abordagens de aprendizagem passiva oferecer níveis relativamente baixos de retenção. Infelizmente, isso é o que muitas vezes depende de com qual idade se vai adquirir uma nova habilidade.

Os métodos participativos, no entanto, oferecem muito mais promessa. As “discussões do grupo” (com retenção de 50%), como mencionado anteriormente, pode ser estimulada através de grupos de Mastermind ou feedbacks online. Praticar (75% de retenção) é onde prática deliberada entra. Mas é ensinando os outros que teremos uma taxa de retenção de 90%. Definitivamente não podemos ignorar esta estratégia.

“Se você não consegue explicar algo de modo simples é porque não entendeu bem a coisa”

Einstein

Se você já é proficiente, ou um completo novato, não importa. Se você é um especialista buscando melhorar, você tem muito a ensinar. Se você é um novato, você pode explicar o que está aprendendo com os outros.

Harry Cloudfoot, por exemplo, documentou sua jornada para se tornar alpinista “muito bom” usando muitos dos métodos do Tim Ferriss. Muitas de suas mensagens foram escritas como como lições para que outros possam seguir.

Nesta abordagem, significa que você tem que entender realmente uma área muito específica de estudo antes de poder ensinar aos outros. Isto te dá a motivação e responsabilidade para realmente se familiarizar com o assunto.

Uma das opções mais populares é começar um blog, onde você pode publicar posts que explicam as tuas descobertas, métodos e resultados. Se você quer escrever mensagens, sem criar um blog, pode escrever na comunidade Medium

Uma opção é favorito para começar um blog onde você pode publicar posts que explicam suas descobertas, métodos e resultados. Se você quer escrever mensagens, mas não quero criar um blog, você poderia escrever na comunidade Medium, ou até mesmo começar um grupo no Facebook e convidar pessoas para participar. Há uma abundância de opções.

Mas nada vai funcionar se você deixar de colocar isso tudo em Ação

Como já explicado, rexplicado e validado, o mito das 10.000 horas de Gladwell foi construído em bases muito específicas da música, além de ser uma média e não um fato.

A parte boa é que ao prestar bastante atenção em como você gasta o seu tempo de prática, você pode acelerar o seu aprendizado para que uma habilidade possa ser dominada em muito menos tempo do que você pensa, desde que seus esforços sejam inteligentes e focados.

Pontos para agir:

  • Montar um grupo de Mastermind com expertises e conhecimetnos diferentes que possam se ajudar mutuamente
  • Montar grupo no Facebook para discutir um assunto que você queira dominar – ou participar de um grupo já existente e que seja ativo
  • Pesquisar mais sobre Prática Deliberada

Bom Trabalho!

Juliano

Quer transformar tua vida?
Receba as próximas atualizações direto teu e-mail, e participe gratuitamente de sorteios semanais de livros. ?? LIVRE DE SPAM.

Comentarios

Mais em 10000 Horas, Abundancia, Anders Ericsson, Chef em 4 Horas, Desafiando o Talento, Ensinar, Ensine, Geoff Colvin, Loop de Feedback, Mastermind, MindTrust, Outliers, Piramide do Aprendizado, Pratica Deliberada, Professor
Como eu fiz para acordar às 5:50 todos os dias nos últimos 90 dias

"A maneira como você começa o seu dia, determina como você vive o seu dia. A partir das cinco horas até...

Fechar
rsl2016mmi