Os segredos do aprendizado acelerado com 10 técnicas de bônus

Você já deve ter ouvido falar em aprendizado acelerado. Se não ouviu, a partir de hoje você não vai ficar boiando quando seus amigos tocarem no assunto, e ainda poderá se considerar um semi-expert no assunto com o que eu vou te contar.

Para começar a história, aprendizagem acelerada é um estado do cérebro que nos permite assimilar as informações em um curto espaço de tempo, com pouco esforço, e extraordinária retenção. Se até hoje você tem facilidade para esquecer o que aprendeu semana passada, vamos mudar juntos essa dificuldade.

As técnicas de de aprendizagem acelerada são baseadas em pesquisas científicas. Acontece que cada um de nós tem um estilo de aprendizagem preferido – uma forma de aprendizagem que nos convém melhor, então se você conhecer e utilizar as técnicas que correspondem à sua forma preferida de aprendizagem, você aprende mais naturalmente. Porque aquilo que é mais natural para você, torna-se mais fácil de aprender, e o que é mais fácil, fica mais rápido – daí o nome aprendizagem acelerada.

Duas fontes de combustível são particularmente essenciais para garantir um cérebro saudável e eficiente: água e oxigênio. Escolas no Reino Unido já estão começando a reconhecer a necessidade de os alunos (e seus cérebros) estarem suficientemente hidratados, e para isso, tem instalado filtros de água em pontos estratégicos das escolas. O oxigênio é mais fácil de fornecer – ele está na atmosfera -, mas permanecer sentado em uma aula de 50 minutos, tende a reduzir a quantidade de oxigênio fornecida para o cérebro em pelo menos 15%. Algo tão simples como levantar, fazer uma rápida ginástica (tipo uns 10 poli-chinelos), pode garantir um fornecimento de sangue mais oxigenado para o cérebro, gerando um desempenho mais eficiente.

As pessoas vão para a academia para treinar seus músculos. Você também pode fazer uma corrida ou uma caminhada perto da sua casa. Ou talvez você não faça nada – e nesse caso eu te desejo que faça algo sim, é importante para a oxigenação do corpo. Bem, a analogia que quero fazer é que você também precisa treinar uma parte muito importante od corpo: o cérebro.

Quando treina o seu cérebro, você:

  • Evitar situações embaraçosas: você se lembra o rosto, mas o que era o seu nome?
  • É um aprendiz mais rápido em todos os tipos de habilidades diferentes: Olá promoção, aqui vou eu!
  • Evitar doenças que aparecem na medida que as pessoas envelhecem
  • Então, como você pode treinar seu cérebro para aprender mais rápido e lembre-se mais?

10 técnicas para maximizar o aprendizado

1. Ensine o que você está aprendendo para outra pessoa

Pratique o sistema de aprendizagem acelerada em intervalos curtos de 30 minutos de estudo, mas extremamente focados, sem interrupção. Realize descansos frequentes. Para realmente aproveitar o conhecimento, tenha como objetivo, ensinar o que você está aprendendo para outra pessoa. Tomar para si a responsabilidade de repassar o conhecimento para outra pessoa vai fazer você prestar mais atenção e realmente aprender o que está estudando.

2. Faça perguntas

A inteligência aumenta através da curiosidade. Ao formular perguntas sobre os assuntos que você está estudando, você se torna mais focado para obter as respostas.

3. O que tem ali para mim?

Motive-se para se concentrar e absorver melhor a informação, perguntando-se: “Como essa informação vai me beneficiar no longo prazo?”. Buscando todas as maneiras em que a informação vai beneficiá-lo, você se dá mais motivos para aprender, e estudar se torna mais fácil.

4. Fale o que aprendeu em voz alta, com suas próprias palavras

Concentre o foco em seu programa de aprendizagem e comece a falar em voz alta as informações que você tem estudado. Parafraseando em voz alta, particularmente rápido, faz com que você torne consciente o que você aprendeu e expõe os buracos que faltou aprender para que você possa revisar em seguida.

5. Faça um desenho e descreva com suas próprias palavras

A velocidade de aprendizado envolve 8 inteligências múltiplas, incluindo a visual e linguística. Você pode aproveitar certas habilidades visuais do seu cérebro desenhando figuras que ajudam a clarear as idéias – e que vão ficar na tua mente. Por exemplo, o uso de mapas mentais (mind map). Re-escrever a informação com as tuas próprias palavras é outra forma de desenhar o que aprendeu. Isso tudo ajuda a mudar o status da informação, de algo que é estranho para algo que é familiar, confortável e acessível.

6. Teste o conhecimento

Se faça perguntas lógicas para testar a autenticidade de que você está estudando. É verdade? Você tem que ser como os homens da época do renascimento, e estar disposto a testar o conhecimento absorvido. Duvidar da veracidade do que você está estudando vai aprofundar a compreensão e acelerar a absorção do assunto – claro que você vai duvidar e pesquisar mais né 🙂

7. Envolva os outros sentidos

Você é multi-sensorial, um ser multi-inteligente. A leitura traz as palavras através dos olhos e tem limitações como um meio de aprendizagem eficaz. Use fotos também. Grave as informações em Mp3 e ouça os áudios sobre o assunto. Assistir vídeos sobreo assunto. Estimule os seus sentidos tácteis com diferentes tecidos, cadeiras, texturas, etc. Coma algo incomum enquanto você está aprendendo. O gosto pode ser uma âncora conectada às informações e irá ajudá-lo a recuperar rapidamente o que está estudando em um futuro.

8. Movimente-se

Às vezes aprendemos melhor as coisas quando fazemos elas, então vamos agir. Se a tua área de estudo envolve habilidades físicas, então, faça-as. Caso contrário, exercitar-se andando de bicicleta por 1 hora; caminhar enquanto escuta suas notas de áudio… ! Pessoas cinestésicas sabem como funciona isso.

9.Visualize o resultado final

Imagine-se praticando a habilidade que você está aprendendo ou usando as informações que você está estudando como um perito. Claro que se você ficar só imaginando, não vai acrescentar nada… mas se você imaginar e estudar, será uma tremenda de uma explosão de conhecimento.

10. Atitude mental

Desenvolva uma atitude mental positiva para o seu programa de aprendizagem. O princípio da positividade vai inundar o teu corpo com endorfinas, fazendo-te sentir-se bem, levando-o a apenas fazer todo o treinamento de modo muito mais fácil e mais agradável. Entre em um estado de pico para estudar, usando as técnicas de PNL para criar ‘âncoras’ para o pico de estados emocionais. Basicamente, quando você começa uma sessão de estudo: alongue, sorria para o espelho e agarre seus estudos com aquela garra de quem está jogando o jogo do tudo ou nada.

A música na aprendizagem acelerada

“Na música os sábios descobriram o prazer, e viram que ela poderia ser usada para alegrar os corações das pessoas. Por causa da profunda influência que exerce sobre o homem, e a mudança que ela produz em hábitos e costumes, os reis antigos transformaram em um dos temas para ensino.”
Confúcio (551-479 aC)

O Dr. Georgi Lozanov fez uma pesquisa considerável sobre os efeitos da música sobre a aprendizagem, e “o Efeito Mozart” é  agora uma teoria largamente divulgada, embora pouco utilizada no Brasil. No entanto, o uso da música na sala de aula precisa ser visto num contexto mais amplo, se for para atingir a todos os alunos, e você terá que experimentar o que funciona melhor em determinadas circunstâncias, idades e regiões.

Alguns professores acham benéfico manter as músicas barroca, indiana ou clássica como um fundo suave em todos os momentos da sala de aula. Este fato parece ter um efeito calmante sobre muitos alunos, e elimina a necessidade que alguns alunos tem de falar (para preencher o silêncio) enquanto eles estão trabalhando. Alguns estudos psicológicos têm sugerido que ouvir esses tipos de música pode melhorar o desempenho do cérebro e talvez até mesmo aumentar o QI. Se este for o caso, é discutível, mas pelo menos podemos ter certeza de que a música tem um efeito sobre nosso humor e emoções, e pode, portanto, ter um impacto sobre a forma como aprendemos.

Outra maneira de usar a música na sala de aula é usar pequenos excertos para evocar um modo particular ou melhorar uma atividade. Por exemplo, o tema de Missão Impossível pode ser uma boa escolha para uma pequena atividade de brainstorming em grupo – todas as ideias devem ser escritas antes que a música pare! Por outro lado, As quatro estações, de Vivaldi pode ser uma escolha mais apropriada para a tarefas de compreensão e escrita.

Revisões

A aprendizagem não adianta se não for memorizada. Existe uma teoria de que a capacidade de concentração de uma pessoa é equivalente à multiplicação da idade cronológica da pessoa em anos, por 2 minutos. Se você tiver 31 anos, então a tua capacidad de concentração direta seria de +/- 62 minutos. Significa também que um aluno de ensino médio de 16 anos, vai ter quebra na sua concentração após aproximados 32 minutos. Então, quando a planejar algum trabalho, pense sobre o fornecimento de uma breve pausa, mudança de foco ou de atividade a cada 30 minutos +/-. Isso é conhecido como “reencontro”. Por exemplo: dar 10 minutos para responder as perguntas 1, 2 e 3, em seguida, solicitar um feedback / verificação das respostas, antes de mais 10 minutos para responder a perguntas 4, 5, 6 e 7. Quebras de concentração também podem ser um tempo útil para tarefas de administração mais rápidas, como registrar uma atividade.

Começos e finais de aulas são momentos para avaliação e retomada de conteúdo. A evidência mostra que os alunos se lembrem de mais informações dessas partes da aula, mas eles são os momentos em que o tempo de aprendizagem extremamente valioso pode ser facilmente desperdiçado. Então entrar e aprender imediatamente – ter uma atividade pronto no conselho para os estudantes como eles entram, e olhar para o short, envolvendo atividades de partida. Chunking aulas também significa que você criar automaticamente muitos começos ‘menores’ e finais dentro de uma lição.

A revisão das informações também é de vital importância para a recuperação de longo prazo. Idealmente, os alunos devem estar revisando os principais pontos de aprendizagem do seu trabalho no final de cada lição: no final do dia, depois de uma semana, após um prazo de 30 dias e depois de um ano. Isto, obviamente, envolve algum esforço da tua parte, mas os professores podem fazer os alunos terem bons hábitos de revisão após encerrar a aula pelo menos cinco minutos mais cedo e dedicar o tempo restante para uma revisão dos principais pontos de aprendizagem. Esta atividade pode ser: identificar três pontos-chave da matéria, um simples teste ou quebra-cabeça, ou montar um pequeno grupo de discussão.

5 hacks para aumentar a velocidade

1. Concentre-se no número de repetições, e não na a quantidade de tempo que pratica

Quando dizemos que “estudamos durante cinco horas seguidas”, muitas vezes estamos enganando a nós mesmos. Por aaso essas cinco horas foram gastas com atenção focada? Quanto tempo foi gasto em distrações, conferir o e-mail, o Facebook, ou o WhatsApp? A chave não é a duração do tempo que passamos quando aprendemos alguma coisa. O segredo é a quantidade de repetições que nos dedicamos a aprender. A repetição é uma das alavancas mais poderosas que existe, porque ela afia o nosso cérebro. O poder da repetição é bem conhecido pelos melhores artistas, atletas, músicos, e os militares. Tempo gasto não é quase tão importante quanto o número de repetições.

Então aqui vai a primeira idéia: livre-se do relógio. Concentrar a tua atenção em completar as repetições. Em vez de dizer: “Vou estudar as matéria por duas horas”, diga “Vou ler minhas matérias linha por linha, três vezes do início ao fim”. Isso faz com que você concentre sua atenção nos resultados. Isso também elimina a “ilusão de eficácia”, porque você não pode enganar-se. Ou você completou a tarefa, ou você não fez.

2. Divida as coisas em pedaços pequenos

O autor e especialista Daniel Coyle, em seu livro best-seller, O Código do Talento, diz que “pedaços estão para habilidade assim como as letras do alfabeto estão para a linguagem”. Sozinho, cada um é quase inútil, mas quando combinados em pedaços maiores (palavras), e quando esses pedaços são combinados em coisas ainda maiores  (frases, parágrafos), eles podem construir algo complexo e bonito. A revisão é importante porque é a maneira que o nosso cérebro aprende. Cada habilidade ou pedaço de conhecimento que alcançamos é composto de muitas peças menores, ou pedaços, de informação.

Uma das primeiras coisas que devemos fazer ao tentar aprender algo novo é quebrar o material ou tarefa em muitos pequenos pedaços. O que nos resta, então, é um monte de pequenos pedaços.

3. Transforme o processo de aprendizagem em um jogo, com regras e recompensas

Nós gostamos de jogos e nosso cérebro gosta de jogos. Quando aprender torna-se um jogo agradável, o tempo pára, e nós mergulhamos em incontáveis repetições. Então, se estamos tentando aprender algo novo, uma estratégia eficaz é a de “jogá-la.” Criar um jogo que possamos jogar. Definir as regras para o jogo, e criar um sistema de recompensas (esta é outra coisa muito importante: o nosso cérebro ama recompensas).

Recompensas são a base da formação dos hábitos, como observado por Charles Duhigg em seu livro best-seller, O Poder do Hábito. Uma vez que um comportamento torna-se um hábito, realizamos muito mais fácil e mais rápido. Se podemos criar um sistema de recompensa com base em um jogo a partir do processo de aprendizagem, então podemos cristalizar a aprendizagem como um hábito e vamos aprender mais rápido.

4. Repita explosões de foco, onde nós damos o nosso melhor por um curto período de tempo

Existem vários estudos que confirmam que o descanso apropriado aumenta o funcionamento do cérebro. O normal, induzido por cafeína, tarde da noite, não é a maneira mais eficaz de aprender. Na verdade, não há evidências que sugerem que é a maneira menos eficaz. Se queremos aprender alguma coisa rapidamente, precisamos fazê-lo quando nossas mentes estão frescas. Nós precisamos nos engajar em “rajadas de foco” onde, com nova energia e uma mente bem descansada, vamos  concentrar toda a nossa atenção na aprendizagem e no aperfeiçoamento. Então, quando nós começamos a sentir que as coisas estão se dissipando, é hora de fazer uma pausa para recarregar.

Explosão, foco, recarga: esta é a maneira de acelerar o processo de aprendizagem. longas sessões de estudo não são tão eficazes como rajadas curtas. Em longas sessões que são propensas a distração, e nós também somos propensos a focar no tempo ao invés de focar no número de repetições. No entanto, se vamos nos treinar para aprender como um atleta de elite mundial treina (em partes menores e de alta intensidade), vamos ser muito felizes com os resultados que obtivermos com este modelo.

Livro recomendado: Aprendizagem Acelerada (Myriam Duarte) – myriamdurante.com.br/aprendizagemacelerada

Consulta

  • Colin Rose, Accelerated Learning, Accelerated Learning Systems Ltd, 1985.
  • Alistair Smith, Accelerated Learning in the Classroom, Network Educational Press Ltd, 1996.
  • Mike Hughes, Closing the Learning Gap, Network Educational Press Ltd, 1991.
  • Bill Lucas, Power Up Your Mind, Nicholas Brearley Publishing, 2001.
  • Eric Jensen, Super Teaching, The Brain Store, Inc., 1995.
Quer transformar tua vida?
Receba as próximas atualizações direto teu e-mail, e participe gratuitamente de sorteios semanais de livros. ?? LIVRE DE SPAM.

Comentarios

About The Author

Empreendedor em série, graduado em Administração de Empresas, cursou Técnico em Processamento de Dados na UFRGS e Engenharia Elétrica na PUCRS. Atua no mercado de Datacenter/Cloud desde 1998. Fundou a WeBrasil, HostNet e Cyberweb, atualmente controladora da KingHost - provedor de hospedagem de sites com 60 mil clientes. Em 2012, criou a Giga Internet, provedor de internet wireless que atende 15 cidades no Rio Grande do Sul. Em 2016, começou o projeto Riqueza Sem Limites, com visão de exportar inspiração e conhecimento de alto nível para além das fronteiras Brasileiras. Atualmente dedica 50% do tempo para estudar assuntos ligados à neurociência, psicologia comportamental e biohacking.

rsl2016mmi